Minha camisa vermelha

Notícias atualizadas sobre o Colorado

Início » Repercussão » Taison marca gol, e explica comemoração “Sofri preconceito”

Taison marca gol, e explica comemoração “Sofri preconceito”

Finalmente o ídolo colorado Taison marcou seu primeiro gol pelo internacional após seu retorno na equipe, o jogador fez 13 partidas nessa sua segunda passagem pelo internacional e marcou o seu primeiro gol na goleada em cima do Flamengo no Maracanã nesse domingo no campeonato brasileiro, na comemoração do gol o atleta fez um gesto curioso, ergueu um dos braços para cima com o punho cerrado, questionado pela comemoração, Taison explicou o que significava tal gesto.

Taison estava longe do Beira-Rio a 11 anos, quando deixou o clube gaúcho para seguir sua carreira estrangeira, no seu último jogo de despedida do clube colorado, o jogador jogou contra o Flamengo e venceu por 1×0, marcando o gol da vitória colorada e o seu último gol pelo colorado, após 11 anos o jogador voltou ao colorado, e seu primeiro gol no retorno foi em cima do mesmo time, Flamengo.
Na goleada de hoje, Taison marcou um dos 4 gols do internacional sobre o Flamengo, os outros 3 gols foram marcados pelo Yuri Alberto, o resultado final foi Flamengo 0 x 4 Internacional.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Na entrevista após a goleada de hoje, Taison disse que primeiramente estava final pela vitória, pois o clube não estava passando por um momento bom, o clube saiu de duas competições na temporada, a equipe sentiu bastante, hoje a gente jogou contra uma equipe que merece os parabéns, um time que vai brigar pelo título, estou feliz pelo gol e pela vitória, finaliza Taison.

Comemoração de Taison, após marcar o seu gol na goleada de hoje, Taison comemorou levantando um dos braços para cima com o punho cerrado, perguntado pelo repórter o motivo da comemoração, Taison responde que o gesto é pelo combate ao racismo, pois na Ucrânia país onde jogava anteriormente sofreu preconceito, e após isso toda partida que ele marca ele faz questão de fazer o gesto
Aquele gesto é porque sofri preconceito na Ucrânia, sofri racismo, sempre que eu fazia gol lá eu comemorava assim, e aqui também”

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE
CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE